segunda-feira, março 05, 2007

Romane Dóle Duvalais - Suiça

Tinto, 60% Pinot Noir e 40% Gamay.

Não tem o ano descrito no rótulo, mas parece velho, pela rolha, pelo aroma e pela cor. Com bordas claras, vermelho escuro terra. Aroma muito complexo, com chocolate, café, charuto, e sei lá mais o que. Simplesmente empolgante na primeira "cafungada". Aliás, já nos empolgamos ao cheirar a rolha! O aroma é totalmente intrigante, diferente, forte, marcante. As palavras são poucas para descrever este momento. Só o vinho pode proporcionar estas emoções, de fato!

Na boca é um pouco ácido, o que deve se justificar pela idade, mas é elegante e muito interessante. Mesmo que fosse péssimo já seria uma experiência fantástica, só pelo aroma ímpar. Mas por pura sacanagem de baco, o vinho é bom. Está um um pouco velho, mas ainda em forma, esbelto. Este vinho maduro deve ter sido simplesmente apaixonante.

Os grandes vinhos da Borgonha são resultantes da expansão da ordem católica de Cîtaux, monges vinicultores e, simetricamente, a própria expansão da ordem se deve à qualidade do vinho que eles produziam. Estes monges promoveram várias das mais modernas técnicas de vinificação, tal como a implantação do conceito de Cru, a separação de algumas partes do vinhedo para a produção dos melhores vinhos, e a poda das maiores folhas dos pés, para que os cachos pudessem pegar mais sol, entre outras. Eles levaram vinhos para diversas regiões da Europa e do mundo, junto com a expansão da ordem religiosa, inclusive para a Suiça. E suas cepas também, isso fica claro neste vinho, que é feito de Pinot Noir e Gamay. Agradecemos aos monges pelo seu trabalho religioso... de louvar a Baco!

2 comentários:

cudi disse...

ja esta linkado no meu humilde blog.
Vou vir sempre pegar dicas...

[]´s
deco.

Edgard Piccino disse...

Para este vinho nota 8